Osteopaths census

a C.O.M.E. Collaboration project

PORTUGAL project info

OPERA Active!

Projeto
Participar
Privacy
FAQ

Osteopathic Practitioners Estimates and RAtes em Portugal.

O projeto OPERA visa dar uma imagem o mais fiel possível à realidade da situação da profissão osteopática em Portugal.

Porquê este estudo

A Osteopathic International Alliance marca a maior prioridade: Reunir evidências sobre o alcance da prática da Osteopatia internacionalmente” Compilar evidências sobre o escopo da prática internacional em osteopatia” International Osteopathic Research Network (OIA)

A falta de dados confiáveis sobre a realidade da osteopatia em um país impede:

  • Conhecer o uso da população

  • Saber quantos profissionais a praticam regularmente e qual a sua distribuição

  • Conhecer as características da prestação osteopática

  • Fazer avaliações de custo-efetividade em relação à sua implementação no sistema de saúde

  • Estabelecer comparações com o futuro da profissão em outros países do mundo

  • Negociação adequada com a administração central, gerentes de saúde e seguradoras

A situação em Portugal

Do ponto de vista sociodemográfico:

A REALIDADE DA PRÁTICA OSTEOPÁTICA EM PORTUGAL NÃO É TOTALMENTE É CONHECIDA

  • Osteopatia em Portugal é muito diversa

  • Existem vários perfis profissionais

  • Nem todos os Osteopatas estão registrados na ACSS

Embora a Osteopatia em Portugal seja cada vez mais praticada profissionalmente e cada vez mais solicitada pela população, não existem dados totalmente confiáveis sobre o número de praticantes, sua distribuição geográfica, seu perfil profissional / académico e as características da prática clínica.

Essa falta de dados oculta a dimensão da osteopatia portuguesa aos profissionais que a praticam, à população e aos atores políticos, de saúde e de negócios.

O projeto OPERA

O projeto “Osteopathic Practitioners Estimates and RAtes” (OPERA) foi criado para gerar um censo de osteopatas na Europa que oferece dados confiáveis e atualizados sobre a realidade da prática osteopática no continente. Projetado, coordenado pelo Center for Osteopathic Medicine Collaboration (Fundação C.O.ME.), o projeto OPERA já foi realizado nos países do Benelux, Espanha, e está sendo realizado na Itália e a edição em português começará em 2020. Os dados obtidos através de do projeto OPERA incluem:

  • Dados demográficos

  • Dados referentes à formação de profissionais

  • As características da prática clínica

  • As modalidades de diagnóstico e tratamento

  • Dados referentes à formação continuada de profissionais

  • Dados em relação ao perfil do paciente

  • Particularidades profissionais de cada país

A quem se dirige

OPERA-Portugal 2020: Para quem é?

Todo terapeuta que trabalha em Portugal e DEFINA-SE COMO OSTEOPATA

Independente de:

  • Seu currículo formativo

  • Se possui outros diplomas e / ou combina diferentes disciplinas

  • Onde se formou

  • Desde o momento em que se formou

O sucesso do estudo OPERA-Portugal depende em grande parte da colaboração de todas as entidades e associações que representam a Osteopatia em Portugal, bem como de qualquer entidade relacionada a essa prática. A colaboração que precisamos abrange os seguintes pontos:

  • Divulgação do estudo e instruções para participação entre membros da sua entidade (membros de registros e / ou associações profissionais, ex-alunos de escolas ... etc)

  • Participação ativa nas campanhas de divulgação que serão lançadas por meio de redes sociais e outros canais.

  • Contribuição económica para o financiamento do estudo (custos de implementação, plataforma de pesquisa, tradução, publicação e coordenação do estudo)

Propósitos

A motivação para criar um censo são por múltiplas razões e estão listadas abaixo.

1. Para acolher uma mudança e controlá-la

A medicina em Portugal é transformada e os medicamentos complementares são desenvolvidos em ritmos e ritmos diferentes. Este censo entra no coração de cada país e descreve suas características área por área. Não há outra fonte de informação com tais detalhes.

2. Avaliar e agendar

O uso dos dados dos censos é múltiplo. Para órgãos institucionais, por exemplo, é essencial conhecer a distribuição territorial dos osteopatas e suas principais características, também é importante obter dados por áreas onde planejar e implementar estudos de maneira eficaz.

3. Por transparência

Os censos oferecem informações indispensáveis ​​àqueles que têm a responsabilidade de governar e planejar para avaliar o impacto da osteopatia no território.

4. Realizar um desenvolvimento sustentável

Os dados que descrevem a distribuição dos osteopatas no território ajudam a planejar uma relação correta com outros ambientes de saúde e num uso sustentável dos recursos.

5. Comparar a situação em Portugal com outros países

Nos países da União Europeia, os censos são realizados regularmente. Portanto, com o censo realizado, será possível comparar diferentes regiões da Europa em relação a vários aspetos da osteopatia

6. Aumentar a competitividade

Os dados obtidos no censo são utilizados em pesquisas científicas e são necessários para as instituições, no momento de formular suas próprias estratégias e melhorar a sua competitividade

7. Para produzir novas informações

Os dados dos censos são a base necessária para a realização de investigações e sondagens, importantes em uma sociedade onde a informação deve ser confiável e estar rapidamente disponível.

Partners

Osteoform® 

AIO - Associação Independente de Osteopatia Instituto Português de Osteopatia Clássica

Centro Osteopático de Lisboa

União das Medicinas Naturais

Master Science Lab

Instituto de Medicina Tradicional

Escuela de Osteopatia de Madrid - Portugal

 

Para participar clique no OPERA

Sigilo estatístico, privacidade e processamento de dados

Os dados coletados através da pesquisa experimental OPERA estão protegidos pelo sigilo estatístico, nos termos do art. 9 do Decreto Legislativo n. 322/1989 e o Código referente à proteção de dados pessoais nos termos do Decreto Legislativo nº. 196/2003.

Esses dados podem ser usados, mesmo para processamento subseqüente, exclusivamente para fins estatísticos pelos sujeitos da Fundação C.O.ME. O Collaboration Onlus e também pode ser comunicado para fins de pesquisa científica nas condições e de acordo com os métodos fornecidos pelo All. A3 do Código referente à proteção de dados pessoais (Decreto Legislativo nº 196/2003).

Os mesmos dados serão divulgados de forma agregada, de forma que não seja possível rastrear os sujeitos que os fornecem ou se referem a eles.

O detentor do tratamento de dados pessoais é a Fondazione C.O.ME. Colaboração Onlus, Via A. Vespucci 188, 65125 Pescara. O Presidente da Fundação C.O.ME. é responsável pelo processamento estatístico e processamento de dados pessoais coletados no contexto de pesquisas experimentais. Collaboration Onlus, que também pode ser usado para o exercício dos direitos das partes interessadas.

Segurança de sistemas de informação

As medidas de segurança dos sistemas de informação usados ​​para realizar as pesquisas experimentais de 2015 do Censo da OPERA estão em conformidade com o Código de ética e a boa conduta para o processamento de dados pessoais para fins de pesquisa estatística e científica realizados dentro da Fundação C.O.ME. Onlus de colaboração.

Mais detalhadamente, as seguintes medidas foram adotadas no design e na implementação dos sistemas e no equipamento tecnológico.

Sistemas de TI

Os dados são adquiridos em dispositivos portáteis e / ou fixos por meio de um navegador da web. O sistema que regula essas etapas fornece verificações de integridade em todo o processo de aquisição e armazenamento de dados.

Os dados coletados, quando são transmitidos aos servidores centrais, são automaticamente anônimos.

Os servidores AS são protegidos usando medidas de segurança, hardware e software.

Processadores de dados e processadores de dados

De acordo com a legislação vigente, a confidencialidade dos dados do censo é garantida por decreto-lei 322/89.

FAQ (Perguntas Frequentes)

1. Porquê o meu endereço foi selecionado?

O censo da OPERA é um projeto da Fundação COME Collaboration Onlus que visa selecionar atividades e trabalhadores no campo da osteopatia. Qualquer pessoa relacionada à prática de Osteopatia está potencialmente incluída na população do estudo.

2. As minhas respostas são seguras e anônimas?

Vamos recolher os dados para fins puramente estatísticos. Combinamos as respostas com as informações derivadas de outras entidades nacionais para produzir dados estatísticos que nunca podem ser reproduzidos individualmente. Cada resposta é registrada anonimamente.

3. Como é realizado o censo?

O censo é realizado exclusivamente pela internet

4. Como entraremos em contato com você?

O contato será feito por e-mail. Uma breve descrição do censo será apresentada por e-mail. Também será anexado um link para preencher o questionário que será feito em uma plataforma eletrónica. Se você deseja participar e ainda não recebeu o e-mail, entre em contato connosco diretamente no endereço opera-portugal@comecollaboration.org

5. Devo participar no censo?

Se você é osteopata, sim. É importante participar para ter uma estimativa real do número e distribuição de osteopatas em Portugal. Incentivamos a responder a todas as perguntas do questionário e a divulgar a existência deste estudo entre seus colegas

6. Que razão a Fundação COME Collaboration tem para conduzir um censo?

A missão da Fundação COME Collaboration ONLUS é produzir pesquisas de alta qualidade e, portanto, dados científicos robustos que promovam a profissão.

7. O que a Fundação COME Collaboration ONLUS faz para me ajudar a identificar atividades fraudulentas?

Nunca perguntaremos a você:
seu nome e sobrenome
seus dados bancários ou informações sobre seu cartão de crédito
informações sobre partidos políticos

8. Quanto tempo dura o questionário e quando devo preenchê-lo?

A duração do questionário é de 25 minutos e seria preferível preenchê-lo imediatamente após o recebimento da correspondência. Para mais informações, entre em contato com opera-portugal@comecollaboration.org

OPERA is a project of Non-profit Foundation C.O.ME. Collaboration